Política

11/01/2022 as 18:24

Tropas russas vão começar a deixar Cazaquistão na quinta

Militares foram ao país durante atos contra governo autoritário

Agência: Ansa
Foto: EPA / Ansa / https://ansabrasil.com.br/ansausers/brasil/flash/internacional/2022/01/<?php echo $paginatitulo ?>

O presidente do Cazaquistão, Kassym-Jomart Tokayev, anunciou nesta terça-feira (11) que os cerca de dois mil soldados russos que estão no país por meio da Organização do Tratado de Segurança Coletiva (CSTO) vão voltar para Moscou a partir da quinta-feira (13).

"A missão das forças de paz foi completada com sucesso", acrescentou o mandatário ressaltando que a retirada total será encerrada "em uma dezena de dias".

Os soldados foram convocados para o Cazaquistão na última semana durante os protestos populares contra o aumento do preço do gás liquefeito de petróleo (GLP). Iniciadas nas áreas petrolíferas, as manifestações se espalharam por todo o país e incluíram outras pautas sociais.

Para encerrar os atos, soldados e policiais usaram força extrema contra os civis, muitos dos quais o governo chamou de "criminosos armados", e mataram ao menos 165 pessoas de acordo com o balanço oficial. Porém, com o governo autoritário que administra o país, não é possível confirmar se o número é real ou se foi maior.

Também nesta terça-feira, Tokayev confirmou que Alihan Smaiylov, que havia sido nomeado como premiê interino após a demissão de Askar Mamin por conta dos protestos, assumirá o cargo de primeiro-ministro do país.

Durante seu pronunciamento, conforme agências russas de notícias, o presidente ainda criticou seu antecessor, Nursultan Nazarbayev, que comandou o país entre 1984 e 2019. Conforme a mídia de Moscou, o mandatário afirmou que o governo anterior "criou uma classe de pessoas ricas também para os padrões internacionais".

Tokayev ordenou a criação de um comitê para investigar e criar uma lista de grandes oligarcas e empresas que transferem anualmente capitais para o exterior sob a justificativa de fundo social.

"Graças ao primeiro presidente, o Elbasy [título do ex-presidente Nazarbayev], apareceram no país um grupo de empresas muito lucrativas e um ramo de pessoas ricas também nos padrões internacionais. Acredito que tenha chegado o momento de pagar o que é devido ao povo do Cazaquistão e ajudá-lo de forma sistemática e regular", afirmou.