Política

20/09/2021 as 16:40

Pacheco: Tem faltado respeito ao País, especialmente na relação entre Poderes

O senador fez um discurso cobrando união nacional, respeito, responsabilidade fiscal e otimismo com o País

fonte
Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil/https://www.gazetadopovo.com.br/republica/br<?php echo $paginatitulo ?>

Por Daniel Weterman
Mesmo após recuo recente do presidente Jair Bolsonaro nos ataques ao Supremo Tribunal Federal (STF), o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), afirmou que tem faltado respeito com o País na relação entre os Poderes.

O presidente do Senado participou de um evento com empresários do setor de supermercados ao lado dos ministros Onyx Lorenzoni (Trabalho e Previdência) e João Roma (Cidadania).

O senador fez um discurso cobrando união nacional, respeito, responsabilidade fiscal e otimismo com o País. Sem citar o presidente Jair Bolsonaro, Pacheco criticou o que chamou de negacionismo e afirmou que a pandemia de covid-19 não deveria ter sido menosprezada.

"Considero que tem faltado respeito ao País, especialmente nas relações instituições, nas relações entre os Poderes, permitindo-se inclusive discutir essas relações através de redes sociais ou coisa que o valha, quando isso deveria estar sendo discutido em alto nível com respeito entre as instituições, entre os Poderes, porque esse é o exemplo que será dado à sociedade", afirmou Pacheco.

Ao falar da pandemia de covid-19, o presidente do Senado afirmou que a doença foi menosprezada no País e deveria ter sido alvo de um enfrentamento desde o início. A fala foi feita após o ministro Onyx Lorenzoni defender Bolsonaro e afirmar que o presidente foi a primeira autoridade a falar em ações contra o vírus e ao mesmo tempo preservação da economia.

No discurso, Pacheco afirmou ainda que ninguém aceitará retrocessos ao Estado Democrático de Direito e à democracia no País. O senador também disse que as discussões políticas e eleitorais devem ficar para 2022. "Não podemos nos render ao negacionismo ou ao negativismo que fazem com que nós estejamos desestimulados com o Brasil. É preciso estar estimulado com o Brasil e com as oportunidades que nós temos."