Mundo

20/11/2021 as 11:21

Fome atinge 1,3 milhão em Madagascar e transforma cactos e gafanhotos em comida

Em meio a uma seca sem precedentes, crise de fome no país africano pode ser a primeira do mundo causada pelas mudanças climáticas

A Referência
Foto: Unicef/Safidy Andrianantenain<?php echo $paginatitulo ?>

Mais de um milhão de pessoas enfrentam fome severa no sul de Madagascar atualmente. Os impactos da seca mais aguda do país em mais de 40 anos, combinados com tempestades de areia e pragas, tornaram quase impossível para as pessoas da região cultivarem seus próprios alimentos ao longo dos últimos três anos.

Segundo o Programa Mundial de Alimentos (PMA) da ONU (Organização das Nações Unidas), este pode ser o primeiro caso da história em que uma crise de fome é causada pela mudança climática. “O mundo não pode desviar o olhar. As pessoas em Madagascar precisam do nosso apoio agora e no futuro ”, disse Issa Sanogo, o Coordenador Humanitário da ONU no país.

Para combater o problema, a ONU busca US$ 231 milhões, valor que cobriria as operações de combate à fome até maio de 2022. Embora quase US$ 120 milhões tenham sido recebidos até agora, mais recursos são necessários com urgência para fornecer alimentos, água, serviços de saúde e tratamento nutricional.

A seca deixou mais de 1,3 milhão de pessoas em condições de fome severa, incluindo cerca de 30 mil pessoas que enfrentam condições semelhantes à fome com risco de vida.

“Mulheres, crianças e famílias estão comendo cactos ou gafanhotos para sobreviverem a esta seca, e mais de meio milhão de crianças sofrem de desnutrição aguda”, disse Sanogo. “Isso está acontecendo em um país e uma região que menos contribuiu para as mudanças climáticas.”

A violência de gênero e o abuso infantil aumentaram, e as pessoas foram deslocadas das áreas rurais para os centros urbanos em busca de sustento e serviços. Muitas famílias resolveram tirar seus filhos da escola para que possam ajudar em tarefas como encontrar comida e água.

“Conheci famílias que me disseram que tinham que vender todos os seus pertences pessoais, até potes e frigideiras, para comprar pequenas quantidades de comida que não os sustentariam por muito tempo”, disse Sanogo. “É imperativo que o mundo aja agora para ajudar essas famílias.”

As organizações humanitárias expandiram significativamente suas operações em Madagascar neste ano, atingindo mais de 900 mil pessoas em conjunto com os esforços do governo. No entanto, com a aproximação do pico da temporada de escassez, que vai de janeiro a abril, existe uma necessidade urgente de aumentar a resposta.

Conteúdo adaptado do material publicado originalmente em inglês pela ONU News