Mundo

08/06/2021 as 16:52

Corte confirma pena perpétua a Ratko Mladic, o 'carniceiro dos Bálcãs'

Tribunal de Haia confirmou a sentença dada em primeira instância

Agência: Ansa
Foto: EPA / ansabrasil.com.br/ansausers/brasil/flash/internacional/2021/06/08/corte-confir<?php echo $paginatitulo ?>

A Câmara de Apelações do Tribunal de Haia confirmou nesta terça-feira (8) a condenação do general sérvio-bósnio Ratko Mladic à prisão perpétua por genocídio e crimes de guerra e contra a humanidade durante o conflito de independência da Bósnia-Herzegovina, entre 1992 e 1995.

A decisão confirma a sentença de primeiro grau, anunciada em novembro de 2017, e agora é definitiva. Mladic, hoje com 78 anos, acompanhou a sessão presencialmente, ao lado de dois agentes de segurança.

Apelidado de "carniceiro dos Bálcãs", Mladic é considerado um dos responsáveis pelo massacre de mais de 8 mil homens e meninos muçulmanos em Srebrenica, em 1995, e pelo longo cerco a Sarajevo durante a guerra de independência da Bósnia.

Segundo a sentença, as tropas de Mladic perpetraram operações de limpeza étnica, extermínio, deportações forçadas e terror contra civis de Sarajevo. Além disso, o general ordenou pessoalmente o massacre de toda a população masculina de Srebrenica. Mladic, no entanto, nunca admitiu sua culpa.

"A sentença definitiva contra Ratko Mladic é mais um importante passo para garantir justiça às vítimas", disse no Twitter o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel.

O conflito na Bósnia foi encerrado apenas com o Acordo de Dayton, que reforçou a divisão étnica do país e o dividiu em dois entes autônomos: a República Srpska (49% do território), de maioria sérvia e onde fica Srebrenica, e a Federação da Bósnia e Herzegovina (51%), que reúne as populações bosníaca (muçulmana) e croata.

Seu sistema político prevê uma Presidência tripartite, com um representante bosníaco, um sérvio e um croata, o que acabou engessando o governo e dificultando o desenvolvimento econômico da Bósnia-Herzegovina.