Mundo

13/05/2021 as 22:35

EUA retiram obrigatoriedade de máscara para vacinados

Americanos imunizados não precisarão manter distanciamento

Agência: Ansa
Foto: EPA / Ansa / ansabrasil.com.br/ansausers/brasil/flash/internacional/<?php echo $paginatitulo ?>

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) nos Estados Unidos anunciou nesta quinta-feira (13) que todos os cidadãos que foram completamente vacinados contra a Covid-19 no país não precisarão mais usar máscaras protetivas ou respeitar o distanciamento social.

A decisão foi divulgada com as novas diretrizes que entrarão em vigor no território americano durante a nova fase da pandemia do novo coronavírus.

A medida permitirá que quem já recebeu as duas doses do imunizante, e aguardou pelo menos duas semanas para que o medicamento fizesse efeito, fique autorizado a não usar máscaras protetivas em todos os lugares, exceto em ambientes de saúde.

A nova orientação, no entanto, ainda mantém a recomendação de que as pessoas vacinadas continuem utilizando máscaras quando viajarem no transporte público - aviões, ônibus, trens, aeroportos e estações ferroviárias.

O fim da obrigatoriedade nos Estados Unidos teve início de forma gradual para as pessoas totalmente vacinadas em março. Na ocasião, os imunizados foram autorizados a se reunir dentro de casa sem máscaras e, depois, tiveram permissão para tirar equipamento de proteção também ao ar livre.

A nova determinação só foi possível porque o país acelerou a campanha de vacinação e parte significativa da população adulta já teve acesso às vacinas.

"Se você está completamente vacinado, pode começar a fazer coisas que parou de fazer por causa da pandemia", disse a médica Rochelle Walensky, diretora do CDC, durante coletiva na Casa Branca.

A especialista americana classificou o anúncio como "um momento poderoso e animador", que pode trazer os Estados Unidos de volta a "algum senso de normalidade".

Desde que assumiu à presidência, o governo de Joe Biden tem se concentrado em acelerar o ritmo da campanha de vacinação contra uma pandemia que ceifou mais de 583 mil vidas e infectou mais de 32,8 milhões de cidadãos nos Estados Unidos.

Para isso, o democrata criou novos postos de vacinação, expandiu uma parceria federal com farmácias e colocou um prazo para disponibilizar a vacina a todos os americanos elegíveis.