Mundo

07/03/2021 as 08:24

Presidente da Comissão UE convida Biden para reunião em Roma

Von der Leyen conversou sobre pandemia com presidente dos EUA

Agência: Ansa
Foto: EPA / Ansa / http://ansabrasil.com.br/ansausers/brasil/flash/internacional<?php echo $paginatitulo ?>

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, convidou o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, para participar de uma reunião sobre a Saúde que será realizada em Roma, na Itália, no próximo dia 21 de maio.

Segundo nota divulgada nesta sexta-feira (5), a representante europeia afirmou que o encontro será usado "para preparar melhor o mundo para enfrentar futuras pandemias e melhorar a segurança sanitária no mundo" e o convite foi feito durante um telefonema entre os líderes.

"A UE e os Estados Unidos estão entre os principais produtores de vacinas do mundo e temos um forte interesse em trabalhar juntos para um bom funcionamento das cadeias de entregas globais", acrescentou Von der Leyen.

Os dois ainda debateram a retirada de impostos da briga entre Airbus e Boeing e também a colaboração "estreita" com a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

Neste sábado (6), o jornal britânico "Financial Times" informou que a conversa entre Von der Leyen e Biden também abordou um outro ponto bastante polêmico nos últimos dias: a liberação da exportação de vacinas anti-Covid.

"A UE solicitará aos Estados Unidos a permissão da exportação de milhões de doses da vacina da AstraZeneca para a Europa. A Comissão pretende focar no tema nas próximas discussões transatlânticas", diz o jornal citando fontes europeias. A ideia é "acalmar as carências de entregas nas vacinas por parte da UE e respeitar os contratos de fornecimento".

No entanto, um funcionário da Casa Branca relatou ao jornal que "a primeira prioridade do presidente é tornar disponíveis as vacinas para cada norte-americano", mas que "os EUA e a UE se comprometeram a aprofundar a cooperação sobre a resposta à pandemia, também melhorando o compartilhamento de informações".

Nesta semana, a Itália foi o primeiro país do bloco europeu a reter a exportação de vacinas anti-Covid produzidas em território nacional para um país terceiro, no caso, a Austrália.

O governo de Roma usou como base uma lei europeia que permite tomar a medida desde que a exportação seja para um "país não vulnerável" na pandemia. Ao todo, 250 mil doses foram bloqueadas.

A União Europeia vem sofrendo com atrasos nas entregas das vacinas nos três contratos firmados e já vigentes com as farmacêuticas AstraZeneca, Pfizer e Moderna.