Geral

16/09/2021 as 15:33

Saúde volta atrás e não recomenda vacinar adolescentes

Nova abordagem chega após frase sobre 'excesso de vacina'

Agência: Ansa
Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom / Ag. Brasil / https://agenciabrasil.ebc.com.br/saude/notic<?php echo $paginatitulo ?>

Após o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, ter dito que o Brasil tinha "excesso de vacina" contra a Covid-19, a pasta divulgou uma nota informativa na qual volta atrás na recomendação de imunizar adolescentes entre 12 e 17 anos e sem comorbidades.

O documento foi publicado na última quarta (15), mesmo dia em que Queiroga questionou as "narrativas" de que existe uma escassez de vacinas contra o novo coronavírus no país.

"Há excesso de vacina, na realidade, o Brasil já distribuiu 260 milhões de doses, 210 milhões já aplicadas", afirmou o ministro na ocasião, enquanto estados reclamam da demora na remessa de imunizantes de AstraZeneca e Pfizer para as segundas doses.

De acordo com a nota informativa do Ministério da Saúde, a vacinação de adolescentes entre 12 e 17 anos deve ser restrita a jovens com comorbidades, deficiência permanente ou que estejam privados de liberdade.

No entanto, a pasta havia divulgado em 2 de setembro outro comunicado, em que recomendava a imunização de todos os adolescentes a partir de 15 anos.

Para justificar o recuo, o Ministério da Saúde alega que a maioria dos jovens sem comorbidades não desenvolve casos graves de Covid-19 e que "somente um imunizante", o da Pfizer, está autorizado para esse público.

No entanto, algumas cidades, como São Paulo, decidiram contrariar a nova recomendação e prosseguir com a vacinação de adolescentes sem comorbidades.