Política

19/02/2021 as 10:45

Magda Mofatto será a relatora do caso da prisão do deputado Daniel Silveira

Os deputados, muitos deles investigados, como o próprio Lira, não querem afrontar a Corte

fonte
Foto: Câmara dos Deputados / congressoemfoco.uol.com.br/especial/noticias/camara-banca-“co<?php echo $paginatitulo ?>

Por Luci Ribeiro A deputada federal Magda Mofatto (PL-GO) será a relatora do processo da prisão do deputado Daniel Silveira (PSL-RJ), segundo informação publicada no site da Câmara. A Casa decidirá nesta sexta-feira, 19, o destino de Silveira, e a tendência é que mantenha a prisão.

O deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP) chegou a ser apontado nos bastidores como relator. No entanto, antes de ser formalizado para a função pelo presidente da Câmara, Arthur Lira (Progressistas-AL), Sampaio publicou um vídeo em sua página no Facebook condenando a atitude de Daniel Silveira.

"Não se pode conceber que, a pretexto dessa mesma liberdade (de expressão) você venha incitar movimentos antidemocráticos. E, mais do que isso, o uso da violência e da ameaça para constranger ministros da mais alta Corte do nosso País", disse o tucano, que já foi promotor, na quarta-feira, 17.

Silveira foi preso na noite de terça-feira, 16, por determinação do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes após dirigir ameaças e ofensas aos integrantes da Corte e fazer apologia à ditadura militar.

A sessão do plenário que vai deliberar sobre o assunto está marcada para as 17 horas desta sexta. Líderes de pelo menos 11 partidos vão orientar suas bancadas a votar pela manutenção da prisão de Silveira.

A mudança na estratégia, que antes era salvar o deputado, ocorreu depois que o plenário do Supremo ratificou por unanimidade (11 a zero), na quarta, a decisão de Moraes. Os deputados, muitos deles investigados, como o próprio Lira, não querem afrontar a Corte.

Além disso, antes mesmo da conversa entre Lira, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), e o ministro da Economia, Paulo Guedes, na quinta-feira, 18, a equipe econômica já havia manifestado preocupação com o fato de o imbróglio político prejudicar a votação de medidas importantes, como as reformas.

O argumento de que a Câmara não pode perder tempo com crises envolvendo um deputado extremista, em detrimento de uma pauta necessária para a retomada da economia, serviu para convencer até o Centrão a abandonar Silveira.