Mundo

24/10/2020 as 16:25

Região da Sicília decreta toque de recolher para conter pandemia

Regras ficarão em vigor entre 25 de outubro e 13 de novembro

Agência: Ansa
Foto: Ansa<?php echo $paginatitulo ?>

O governo da Sicília anunciou neste sábado (24) novas medidas restritivas, incluindo um toque de recolher, na tentativa de conter o avanço da pandemia do coronavírus Sars-CoV-2. As regras entrarão em vigor a partir deste domingo (25) até 13 de novembro.

O decreto, assinado pelo governador Nello Musumeci, prevê a proibição da circulação noturna das 23h às 5h da manhã do dia seguinte, além da redução em 50% do número de passageiros nos transportes públicos urbanos, ferroviários e marítimos.

Os deslocamentos só serão permitidos em casos urgentes, de trabalho, ou motivos de saúde. Piscinas, academias, spas, centros culturais e sociais vão funcionar das 8 às 20h.

Entre as medidas também está a suspensão das aulas presenciais em toda a ilha com início simultâneo do ensino à distância.

Em relação ao comércio, todos os restaurantes poderão funcionar das 5h às 23h e o consumo em mesas será permitido das 5 às 18h. Aos domingos, os estabelecimentos comerciais, inclusive shopping centers, ficarão abertos somente até às 14h, exceto bancas de jornal, tabacarias e farmácias.

O documento foi compartilhado com o ministro da Saúde da Itália, Roberto Speranza. As regras foram decididas após uma reunião com a Comissão Técnica- Científica da Sicília que analisou a evolução epidemiológica na ilha.

"É preciso especificar que atualmente na Sicília não existem críticas semelhantes às de outros territórios do país, mas são necessárias ações de contenção para evitar situações de alarme nas próximas semanas", diz o governo siciliano.

Nos últimos dias, diversas regiões estão apostando em medidas mais rígidas para conter o avanço do novo coronavírus, depois da Itália bater recordes de casos diários.

Hoje, segundo o Ministério da Saúde, a Sicília contabilizou 886 casos no período de 24 horas. Os contágios positivos subiram para 9.889. Destes, 696 estão hospitalizados. Ao todo, nove pessoas morreram na ilha, elevando o número total para 417.