Mundo

03/06/2020 as 15:32

Convidar Putin para cúpula do G7 é de 'senso comum', afirma Trump

Além disso, Donald Trump revelou querer um "pacto nuclear" com a Rússia

Agência Sputnik
Foto: © AP Photo / Ian Langsdon / SPUTNIK<?php echo $paginatitulo ?>

Durante entrevista para Rádio da Fox News, o presidente dos EUA, Donald Trump, declarou ser de "senso comum" convidar o presidente da Rússia, Vladimir Putin, para a cúpula do G7.
Presidente norte-americano afirmou nesta quarta-feira (3) que seria muito mais fácil resolver diversas questões se o presidente russo estivesse presente na cúpula.

"Muitas das coisas de que conversamos são sobre Putin", disse Trump em entrevista, acrescentando que "estando com ele [Putin] na sala [...] as coisas são resolvidas".
Além disso, Donald Trump revelou querer um "pacto nuclear" com a Rússia.

"Eu quero um pacto nuclear, átomo [armas nucleares] seguro, porque este é o maior problema que existe no mundo", revelou Trump em entrevista ao responder uma pergunta sobre a Rússia.
O tempo do Tratado START III está se esgotando e os ministro das Relações Exteriores devem intensificar o trabalho, afirmou à Sputnik o porta-voz do presidente russo, Dmitry Peskov, comentanto as palavras do presidente dos EUA sobre "pacto nuclear" com a Rússia.

"Acreditamos que os ministros das Relações Exteriores devem intensificar o trabalho, levando em consideração que o tempo do START III está se esgotando", afirmou Peskov.
O Tratado de Redução de Armas Estratégicas (START III) expira em 2021, vindo os Estados Unidos a declarar que só o prolongariam se fossem incluídas a China e uma série de sistemas de armas que anteriormente não faziam parte do acordo.

Vale recordar que os EUA notificaram oficialmente a Rússia sobre a saída norte-americana do Tratado de Céus Abertos, que já é o terceiro acordo de controle de armas de que os EUA se retiram durante a administração Trump, após a saída do pacto internacional sobre o programa nuclear do Irã e do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF, na sigla em inglês).

O Tratado de Céus Abertos está em vigor desde 2002 e permite que 34 países participantes coletem abertamente informações sobre as Forças Armadas e atividades militares uns dos outros.