Mundo

11/05/2019 as 13:26

EUA enviam mísseis ao Oriente Médio em resposta ao Irã

No entanto, Trump está aberto a negociações com iranianos

Agência: Ansa
Foto: Epa / AnsaFlash<?php echo $paginatitulo ?>

(ANSA) - O Pentágono anunciou nesta sexta-feira (11) que está enviando um navio de guerra e um sistema de defesa antimísseis Patriot para o Oriente Médio em resposta a uma possível ameaça do Irã. Em comunicado, o secretário interino da Defesa dos Estados Unidos, Patrick Shanahan, explicou que o navio USS Arlington, que transporta soldados, veículos anfíbios, lanchas de desembarque e aeronaves com hélices, e o sistema antiaéreo Patriot se unirão ao porta-aviões USS Abraham Lincoln e à força de bombardeiros B-52 que se dirigem ao Golfo Pérsico.

Os mísseis Patriot são um sistema de defesa antiaérea capaz de abater mísseis balísticos, de cruzeiro e aviões sofisticados, que os Estados Unidos haviam instalado no Bahrein, Kuwait e Jordânia.

"Esses elementos se unirão ao porta-aviões USS Abraham Lincoln e uma força de bombardeiros na região do Oriente Médio em resposta a indícios de uma maior disposição do Irã a realizar operações ofensivas contra forças americanas e nossos interesses", afirmou o Pentágono no texto.

De acordo com o secretário interino, o Departamento de Defesa está monitorando as atividades do Irã. "Os Estados Unidos não buscam conflito com o Irã, mas estamos prontos para defender as forças e interesses do país na região".
O Conselho Supremo de Segurança Nacional do Irã afirmou que o reforço militar norte-americano faz parte de uma "guerra psicológica" de Washington contra Teerã.
Já o assessor de segurança nacional dos EUA, John Bolton, ressaltou que qualquer ataque do Irã contra os interesses do governo de Donald Trump e dos aliados será recebido com "força implacável". Na última quarta-feira (8), o presidente do Irã, Hassan Rohani, ameaçou retomar o programa de enriquecimento de urânio do país em 60 dias, caso as potências mundiais não renegociem os termos do acordo nuclear de 2015.

No ano passado, Trump rompeu o acordo e restabeleceu bloqueios contra a economia iraniana, agravando a crise econômica no país persa. Além disso, Washington tem pressionado as outras nações a não fazerem negócios com o Irã e ameaçou sancionar quem importar seu petróleo.
No entato, em meio a tensões crescentes, Trump disse que está aberto a negociações com líderes iranianos. (ANSA)