Mundo

09/02/2019 as 10:04

Brasil pode mudar embaixada em Israel sem prejudicar relação com muçulmanos?

E ainda mais por ter esse favorecimento em cima de uma pauta religiosa", declarou Rocha

Agência © Sputnik
Foto: © REUTERS / Eliana Aponte/File Photo<?php echo $paginatitulo ?>

Em consonância com promessa feita por Jair Bolsonaro durante o período de campanha antes da eleição presidencial, o chanceler brasileiro voltou a falar ontem da mudança da embaixada do Brasil em Israel de Tel Aviv para Jerusalém, sublinhando, no entanto, a possibilidade de isso acontecer sem atrapalhar as relações do país com o mundo muçulmano.

Questionado na última quinta-feira, 7, em Washington, sobre a anunciada mudança da missão diplomática brasileira na capital israelense, Ernesto Araújo afirmou que a manobra é algo que ainda está sendo considerado, mas que o desejo do governo brasileiro é o de que, se isso realmente ocorrer, seja positivo não apenas para os laços com os israelenses, mas com todo o mundo árabe e islâmico. Seria isso possível?

Para Tanguy Baghdadi, professor de Relações Internacionais da Universidade Veiga de Almeida, não. Segundo ele, o fato de o Brasil mudar sua embaixada para Jerusalém, cidade sagrada e disputada por judeus e muçulmanos, significaria que "o Brasil não acredita que deva ser criado, ou pelo menos que haja condições para ser criado, um Estado palestino dentro da região". Nesse sentindo, o especialista avalia que os impactos para Brasília seriam severos. Ele lembra, por exemplo, que os países árabes e muçulmanos são importantes compradores de carnes brasileiras, e que esse mal-estar poderia afetar de maneira significativa o setor da agropecuária brasileiro. 

"Imagino que Bolsonaro esteja, que o governo esteja, de uma certa forma, adiando essa decisão, até para conseguir medir a temperatura, saber o que é melhor. Porque transferir a embaixada seria muito ruim para estados que votaram no Bolsonaro em peso, seria prejudicial também para a própria economia brasileira, e não transferir a embaixada seria quebrar uma promessa de campanha", disse o acadêmico em entrevista à Sputnik Brasil, dizendo acreditar que o Ministério das Relações Exteriores do Brasil esteja em vias de fazer essa transferência.

Baghdadi ressalta que, tradicionalmente, o Brasil sempre se destacou por um acentuado equilíbrio em suas relações internacionais, ao contrário do que vem sinalizando no atual governo. Hoje, entretanto, os passos da política externa brasileira estariam muito mais no sentido de despertar curiosidade do que de sinalizar alguma previsibilidade.

"Essa mudança da embaixada certamente geraria uma curiosidade, e até uma certa preocupação, dos demais países com relação a o que mais viria pela frente." 

De acordo com Raquel Rocha, doutora em Relações Internacionais pela Universidade de São Paulo (USP), há uma grande dificuldade, por parte do atual governo do Brasil, do ponto de vista prático, em cumprir essa promessa de campanha de Bolsonaro, de reconhecer Jerusalém como capital do Estado de Israel. 

"Eu confesso que eu acredito que essa seja uma promessa que vai ser alongada durante os anos de governo Bolsonaro. E vai ser sempre essa ideia de que o quando vai ser discutido e não necessariamente vai ser concretizado", disse ela à Sputnik. 

Além das consequências comerciais óbvias, a especialista da USP acredita que o impacto político sobre essa provável mudança:

"Na pauta política, com certeza, a gente vai ter grandes críticas", afirmou, lembrando o caso dos Estados Unidos, país que gerou fortes reações internacionais ao realizar essa manobra. "É um pouco até contraditório em termos de alinhamento de política externa que o Brasil, agora, seja tão favorável a um desenho geográfico mais favorável a Israel. E ainda mais por ter esse favorecimento em cima de uma pauta religiosa", declarou Rocha.