Mundo

10/01/2018 as 09:54

'Névoa mortal': ataques aéreos mataram 82% a mais em zonas de guerra em 2017

"Quando uma enorme bomba convencional, como a que o mundo nunca viu, é lançada

Agência Sputnik
Foto: © AP Photo/ Felipe Dana<?php echo $paginatitulo ?>

Mais de 15 mil civis foram mortos por armas explosivas em 2017, um aumento de 42% em relação ao ano anterior, enquanto as mortes por ataques aéreos aumentaram 82%, apontou um novo estudo da organização Ação sobre Violência Armada.
A pesquisa mostra que, enquanto as estatísticas oficiais sobre as baixas civis estão em ascensão, elas ainda são modestas em comparação com os "números verdadeiros".

"Os EUA têm o hábito de assumir que todos os homens com idade de combate são, de fato, soldados […] Este é o martelo que os EUA usam para estabelecer a verdade na guerra", disse o diretor executivo da organização, Iain Overton, à RT.

Grande parte do aumento é devido às batalhas para retomar as fortalezas do Daesh em Mossul, no Iraque, e em Raqqa, na Síria. O conflito sírio e o bombardeio da coalizão liderada pelos sauditas no Iêmen também representaram uma grande proporção de mortes civis.

A pesquisa encontrou 8.932 civis mortos por explosivos lançados pelo ar nos primeiros 11 meses de 2017, contra 4.902 durante o mesmo período de 2016.

"Pelo menos 60 países ao redor do mundo viram armas explosivas serem usadas no ano passado", comentou Overton.

"Nós sempre reconhecemos que nossos dados provavelmente representariam uma figura mais baixa do total de civis mortos ou feridos do que realmente poderia ser o caso", continuou. "Isto é particularmente verdadeiro quando há uma única fatalidade ou ferida, e particularmente na falta de denúncia dos feridos por uma explosão de bomba".

"Quando o nevoeiro da guerra desce, os números de acidentes geralmente são baixos — tanto porque se tornam altamente politizados quanto porque um relatório exato é muitas vezes uma vítima da própria guerra", acrescentou.

No caso da "Mãe de Todas as Bombas" do presidente Donald Trump, que caiu no Afeganistão em março, as autoridades alegaram que 92 militantes do Daesh foram mortos. "Quando uma enorme bomba convencional, como a que o mundo nunca viu, é lançada, a explosão eliminará efetivamente a evidência de se alguém era soldado ou civil", disse Overton.

"A mídia mundial viu um declínio radical dos correspondentes estrangeiros e funcionários pagos nos últimos anos", explica Overton. "Além disso, existem algumas zonas proibidas para muitos jornalistas, pois podem ser sequestrados ou executados. Essas duas realidades fundamentais desafiam o relatório no terreno mais do que nunca".

A Ação sobre Violência Armada monitorou os relatórios de discussão em inglês para reunir seus dados. Esses números são mais altos do que os fornecidos por funcionários do governo, mas mais modestos que os compilados por outros grupos de monitoramento, incluindo a organização Airwars.

O grupo baseado no Reino Unido monitora mortes no Iraque e na Síria. Ele descobriu que as mortes de civis causadas por operações dirigidas pelos EUA contra o Daesh estava entre 11.000 e 18.000.

"No total, 1.751 pessoas foram mortas ou feridas por violência explosiva no Iêmen nos primeiros 11 meses de 2017", disse Overton. "Contudo, é provável que este seja um déficit dos verdadeiros números devido a questões de relatórios precários escassos no terreno".