Geral

02/06/2020 as 16:50

Brasil corresponde a um terço das florestas tropicais virgens perdidas em 2019

Dados foram divulgados pelo Global Forest Watch

Agência Ansa
Foto: EPA / Ansa<?php echo $paginatitulo ?>

O Brasil corresponde a um terço das florestas tropicais primárias perdidas durante o ano de 2019 em todo o mundo.

A informação está em um relatório divulgado nesta terça-feira (2) pelo serviço de monitoramento Global Forest Watch, com base em dados produzidos pela Universidade de Maryland, nos EUA.

Segundo o levantamento, os trópicos perderam 11,9 milhões de hectares de cobertura arbórea no ano passado, sendo que quase um terço desse total, 3,8 milhões de hectares, corresponde a florestas primárias tropicais, biomas virgens encontrados em poucos países do mundo e que são importantes sumidouros de carbono.

De acordo com o Global Forest Watch, apenas no Brasil foram perdidos 1,36 milhão de hectares em cobertura de florestas primárias em 2019, quase o triplo do segundo país na lista, a República Democrática do Congo (RDC), com 475 mil hectares.

Em seguida aparecem Indonésia (324 mil), Bolívia (290 mil) e Peru (162 mil). No entanto, apesar do aumento dos incêndios na Amazônia em 2019, o índice de perda de cobertura florestal primária no Brasil se manteve estável em relação a 2018 (1,34 milhão de hectares perdidos).

"A Amazônia brasileira enfrentou incêndios excepcionalmente altos em agosto de 2019, mas muitos deles ocorreram em áreas já desmatadas, enquanto os agricultores preparavam terras para a agricultura e pastagens de gado. A ausência de seca, a atenção do público no início da época de incêndios e as ações preventivas subsequentes podem ter evitado novas queimadas nas florestas primárias", diz o relatório.

O Global Forest Watch alertou, contudo, para "preocupantes" focos de perda em territórios indígenas no Pará por causa da apropriação ilegal de terras e da mineração. "Enquanto isso, o governo brasileiro propôs uma nova legislação em fevereiro que permitiria a mineração comercial e a extração de petróleo e gás em territórios indígenas", acrescentou.