Geral

11/09/2019 as 05:00

Grande beneficiário de leilões da Petrobras é o capital estrangeiro, diz ex-presidente da ANP

A ANP também espera realizar ainda este ano mais dois leilões: de cessão onerosa e de oferta permanente

Agência Sputnik
Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil/Fotos Públicas<?php echo $paginatitulo ?>

Segundo estimativas da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), o Brasil caminha para ser um dos líderes mundiais da produção de petróleo nos próximos 10 anos.
A informação foi dada pelo atual diretor da ANP, Felipe Kury, durante seminário técnico da 16ª Rodada de Licitações de Blocos Exploratórios de Petróleo e Gás e da 6ª Rodada de Partilha da Produção do Pré-Sal, no Rio de Janeiro.

A ANP também espera realizar ainda este ano mais dois leilões: de cessão onerosa e de oferta permanente.

O primeiro leilão da Oferta Permanente terminou nesta terça-feira (10) com 33 blocos arrematados nas bacias Sergipe-Alagoas, Parnaíba, Potiguar e Recôncavo, e mais 12 áreas com acumulações marginais, nas bacias Potiguar, Sergipe-Alagoas, Recôncavo e Espírito Santo.

O bônus total arrecadado com os blocos exploratórios foi de R$ 15,32 milhões, com ágio médio de 61,48%. A previsão de investimentos é de R$ 309,8 milhões.

Porém, para Haroldo Lima, ex-presidente da ANP, classifica o atual leilão como sendo uma "desnacionalização", que vende recursos estratégicos do país para o capital estrangeiro.

"O povo brasileiro vai ter que pagar a conta de um desserviço, de uma política desnacionalizante que o governo atual está querendo fazer", disse à Sputnik Brasil.

A 16ª Rodada de Licitações de Blocos Exploratórios de Petróleo e Gás e a 6ª Rodada de Partilha da Produção do Pré-Sal têm leilões marcados para 10 de outubro e 7 de novembro, respectivamente.

No caso do Pré-Sal, Haroldo Lima é ainda mais enfático ao dizer que a Petrobras deveria ter prioridade em relação às empresas estrangeiras.

"Não é possível que a Petrobras entre em um leilão do Pré-Sal nas mesmas condições que uma empresa estrangeira. Aqui no Brasil a Petrobras deveria ter um privilégio", afirmou.

"Na hora que você estabelecesse que a Petrobras tem o objetivo de tirar petróleo e vender petróleo bruto para o estrangeiro você está servindo aos interesses desse estrangeiro, que lá fora vai refinar o petróleo e produzir a gasolina, o diesel e vender para nós a preços mais elevados", completou Haroldo Lima.

Sobre quem ganha com esse processo, Haroldo Lima diz que os grandes vitoriosos desse processo é o capital estrangeiro.

"Quem enriquece com esse processo é o capitalista estrangeiro, o imperialista estrangeiro, que saqueia o povo brasileiro", diz.