Geral

15/05/2019 as 16:52

Lula está em forma para assumir presidência do Brasil, afirma Dilma Rousseff

Dilma também cita o efeito arrasador do governo Bolsonaro com relação aos bancos públicos

Agência © Sputnik
Foto: © Agência Brasil / José Cruz<?php echo $paginatitulo ?>

Em entrevista exclusiva à Sputnik, a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) faz balanço sobre o governo de Jair Bolsonaro, situação do país e possibilidade de o ex-presidente Lula retornar ao cargo.
Ao ser questionada sobre o desempenho do governo de Jair Bolsonaro, que obtém a maior queda de popularidade de um presidente recentemente eleito, Dilma acredita que a baixa popularidade é um indicador do estarrecedor grau de irresponsabilidade do atual governo, que não possui qualquer projeto para o Brasil, já que o presidente Jair Bolsonaro consegue ver à sua frente apenas valores ultradireitistas.

Muitos da direita moderada, inclusive a mídia, o mercado e os militares acreditavam que depois de ser eleito, o presidente seria domesticável, entretanto, ele não pode ser domesticado, pois os "neofascistas nunca são domesticáveis", afirma Dilma.

Para Dilma, Bolsonaro possui duas propostas articuladas em seu governo. A Neoliberal, que consiste em desregulamentar o mercado de trabalho e entregar a previdência aos bancos, ou seja, entregá-la para o sistema de privatização dos bancos, através do sistema de capitalização.

"Além disso, nós temos algumas estatais importantíssimas, como a Petrobras que é a sétima empresa de petróleo do mundo", ressalta Dilma, destacando que nenhuma empresa estatal de petróleo das vinte maiores, treze são estatais e nenhuma está sendo vendida. Contudo, a ex-presidente acredita que a Petrobras seja privatizada aos poucos, logo depois da previdência de Bolsonaro.

Dilma também cita o efeito arrasador do governo Bolsonaro com relação aos bancos públicos, como o BNDS que está sendo destruído, além da intenção de privatizar o Banco do Brasil, a Caixa Econômica e o setor da educação pública do país.

Com isso, o governo de Jair Bolsonaro está "comprometendo seriamente o futuro do país" com a política defendida por ele.

A outra política seria o mercado e o judiciário, representados pelo ministro Guedes e pelo ministro Moro, além de Bolsonaro, que defende a tese de que o país deve ser limpo, que as pessoas devem ser mortas na rua sem qualquer direito de averiguação posterior, entre outras situações.

Além disso, o presidente Jair Bolsonaro defende o neofascismo, agindo contra a demarcação de terra, negros, homossexuais, índios, emissão de gases, e todos aqueles que acreditavam que poderia dominá-lo, entretanto, isso não é possível, o que está criando um impasse no país. 

Dilma acredita que a democracia brasileira está fortemente corroída por dentro, passando por um processo perigoso, devido às omissões, que permitiram seu impeachment e medidas contra o ex-presidente Lula e Temer, que foi preso recentemente. A ex-presidente enfatiza que todas essas medidas foram tomadas com um propósito: a prisão de Lula.

Isso porque o governo Dilma e Lula conseguiu fazer algo que Bolsonaro não está conseguindo, como por exemplo, no governo Dilma e Lula, conseguiram lutar pelo direito dos indígenas, além de elevar a renda da classe baixa, permitir o acesso à educação, aplicar o Programa Mais Médicos para mais de 63 milhões de pessoas.

Hoje, Bolsonaro representa a derrota do golpe e a consequência do golpe, já que a democracia foi ameaçada e a economia corroída, pois tudo que prometeram não está sendo cumprido, e provavelmente, não será cumprido.

Temer

 
© Foto : José Cruz/Agência Brasil
Bolsonaro nos EUA de novo? Conheça destinos que poderiam ser mais relevantes
Com relação a Temer, Dilma afirma que ele foi usado e não o considera relevante para a política, é algo que não tem sentido algum e não mudará nada na política. 

"Ele será julgado pela história, pelo papel que ele escolheu desempenhar, o papel de traidor", declarou Dilma, ressaltando que ele é traidor do país ao entregar o limite do teto de gastos e elevar o valor do gás de cozinha.

Lula

Sobre Lula, a ex-presidente Dilma, declara que ele não foi preso pelo tríplex, que não é dele, já que o imóvel foi dado em garantia pela empresa para conseguir empréstimo bancário.

A prisão de Lula teria ocorrido para a aplicação de um golpe, utilizando a lei para destruir um forte adversário político na eleição.

"O processo que condenou Lula, era um processo incompatível com o juiz, que, por sinal, favoreceu a eleição de Bolsonaro, negociando a ida de Moro para o Supremo, como uma 'negociata', uma forma de corrupção muito grave, que um juiz não possa permitir", declara Dilma.

"O Lula tem presente, tem história presente no povo brasileiro, ele representa o hoje e a possibilidade de que o amanhã seja um amanhã muito melhor, maior e mais comprometido com o povo do país, ele representa a esperança", garante Dilma.

Dilma conclui dizendo que Lula está completamente em forma e capaz de assumir a presidência do país, além disso, ele tem consciência de que é inocente e tem uma causa maior: "Lula é forte e dá a volta por cima."