Geral

06/11/2018 as 11:31

Egito retalia e cancela viagem de chanceler brasileiro

País tomou decisão após promessa de Bolsonaro sobre embaixada

Agência: AnsaFlash / Conteúdo Licenciado
Foto: Epa / AnsaFlash<?php echo $paginatitulo ?>

(ANSA) - A promessa do presidente eleito, Jair Bolsonaro, de transferir de Tel Aviv para Jerusalém a embaixada brasileira em Israel já começou a gerar retaliações de países árabes. O Egito cancelou a viagem de uma comitiva brasileira liderada pelo ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira.

Estava previsto para o chanceler desembarcar no país nesta quarta-feira (7) para cumprir uma agenda entre os dias 8 e 11 de novembro. No entanto, ontem, o governo brasileiro foi informado pelas autoridades do Egito de que a viagem teria de ser cancelada por problemas de agenda. Apesar da justificativa, é incomum, pelo protocolo diplomático, desmarcar viagens em cima da hora.

Nunes recebeu a notícia em Xangai, na China, onde participa da feira China International Import Expo (CIIE), com uma delegação de empresários. No Egito, ele se encontraria com o presidente Abdel Fattah al-Sisi e com o chanceler Sameh Shoukry. A decisão do Egito vem dias após Bolsonaro confirmar que pretende mudar a embaixada do Brasil em Israel, seguindo uma decisão tomada pelos Estados Unidos e criticada pelos países árabes, já que Jerusalém é uma cidade importante para várias religiões.

Os países árabes, juntos, são o segundo maior comprador de proteína animal do Brasil. No ano passado, as exportações somaram US$ 13,5 bilhões, e o superávit brasileiro foi de US$ 7,17 bilhões. Especialistas em política externa temem que o mercado seja prejudicado caso os árabes decidam retaliar economicamente a decisão de Bolsonaro. (ANSA)