Esportes

08/11/2018 as 19:36

Justiça francesa valida investigação por chantagem a Valbuena em caso com Benzema

"O processo segue adiante", disse o advogado do jogador, Paul-Albert Iweins

Fonte: Estadão Conteúdo
Foto: Reprodução<?php echo $paginatitulo ?>

A Justiça da França validou nesta quinta-feira a investigação do caso de chantagem contra o meia francês Mathieu Valbuena, por meio da ameaça da divulgação de um vídeo íntimo, em um escândalo que envolve seu antigo companheiro de seleção Karim Benzema e outras cinco pessoas. Com a decisão, a ação agora segue para julgamento.

Um tribunal de segunda instância de Paris recusou os pedidos dos advogados de Benzema, que pediam a anulação da investigação questionando a participação um comissário da polícia de Versailles, que se passou por intermediário dos dois atletas, na época do ocorrido.

"Está claro que houve manipulações judiciais em todo este caso e nestas condições todo o processo está viciado", afirmou Sylvain Cormier, advogado do atacante do Real Madrid, que já adiantou que vai recorrer da decisão.

Já a defesa de Mathieu Valbuena, hoje no Fenerbahçe, da Turquia, comemorou o anúncio desta quinta no tribunal e clamou para que "seja feita a justiça". "O processo segue adiante", disse o advogado do jogador, Paul-Albert Iweins.

Em novembro de 2015, Benzema foi transformado em réu pelo Tribunal de Justiça de Versailles por supostamente ter chantageado Valbuena após o surgimento de um vídeo com conteúdo sexual. O jogador até confessou ter se envolvido no problema, mas de forma "inconsciente" e para ajudar o seu ex-companheiro de seleção francesa.

Os investigadores do caso concluíram que Benzema convenceu o ex-jogador do Olympique de Marselha a pagar uma quantia em dinheiro exigida por chantagistas que tentaram extorqui-lo em troca da não divulgação de um vídeo de conteúdo sexual no qual o meio-campista aparecia junto com a sua esposa.

Após o escândalo, o técnico da seleção francesa, Didier Deschamps, também optou por deixar Benzema fora da Eurocopa de 2016, realizada na França, e o atacante naquela ocasião criticou o treinador ao acusá-lo de ceder às pressões racistas existentes contra ele na França por causa de sua origem argelina.