Em Foco

11/08/2017 as 21:02

Uma roleta-russa de gêneros em 'Room 104'

Muito do que acontece é mundano. Mas isso também nos interessa"

fonte
Foto: Divulgação<?php echo $paginatitulo ?>

Por Mariane Morisawa, especial para o Estado

Enquanto a HBO procura seu novo Game of Thrones, os irmãos Mark e Jay Duplass, que fizeram duas temporadas de Togetherness e se preparam para a terceira de Animals no canal, têm o antídoto perfeito: Room 104, série de antologia, com orçamento baixo, expectativa modesta, mas um certo risco envolvido, que estreia nesta sexta, 11, às 20h30. "Certamente, o futuro da televisão tem lugar para um novo Game of Thrones, com episódios de US$ 20 milhões. Mas esse não é o nosso futuro na TV, o nosso é realmente nos arriscarmos", disse Mark Duplass à reportagem, em Los Angeles. "Numa era de tanta televisão, talvez a especificidade e a estranheza da nossa série possam funcionar. Se não, somos só uma série pequenininha."

Os episódios de Room 104, como o título indica, se passam no mesmo quarto de hotel barato numa cidade não específica nos EUA. "Toda vez que entramos num desses motéis, nós sentimos - e, sendo franco, cheiramos - os fantasmas passados", disse Mark, o mais falante dos Duplass. "Não se trata apenas de prostitutas e cocaína. Muito do que acontece é mundano. Mas isso também nos interessa."

O primeiro episódio, por exemplo, envolve uma babá e um menino. O segundo traz um entregador de pizza e um casal e o terceiro, uma mulher em busca de salvação e um pastor. Alguns se passam no presente, outros no passado. Mas a principal marca de Room 104 em relação a outras séries no formato antologia é que cada um dos 12 capítulos tem um gênero diferente. "A gente queria que fosse uma roleta-russa", afirmou Mark. Para ele, se alguém não gostar de um determinado episódio e quiser partir para o próximo, sem problemas. Mark e Jay Duplass acreditam que, numa era em que é impossível dar conta de tudo o que está sendo produzido na TV, algo como Room 104 pode bem dar certo. "Aqui, não é preciso ter visto os episódios anteriores. Não tem compromisso. Mas você não sabe o que vai ver também", comenta Mark, que também afirmou: "Somos o Tinder da televisão".

Os dois também estavam interessados em ampliar seu círculo de colaboradores, depois de trabalharem juntos desde a infância e escreverem e dirigirem todos os episódios de Togetherness. O orçamento modesto permitiu que eles dessem oportunidades a diretores e atores com pouca experiência - sete dos episódios são dirigidos por mulheres e um é codirigido por um homem e uma mulher.